Coronavírus
15.05.2020 PB
ASA Paraíba anuncia série de áudios para famílias rurais com divulgação via zap

Voltar


O quê podemos dizer e como para que as famílias prestem atenção à mensagem? Diante da grande quantidade de conteúdo sobre o coronavírus, esta foi a pergunta chave que impulsionou o Grupo de Trabalho de Comunicação da ASA Paraíba a produzir 10 áudios com linguagem informal para chegar, via whatsapp, às famílias acompanhadas pelas organizações da Articulação.

A experiência diz que, quando se quer comunicar para a população rural que tem dificuldades de leitura textual, os áudios são um excelente caminho.

A escolha deste caminho também foi guiada pelos bons retornos que se tem dos spots produzidos para divulgar a Marcha pela Vida das Mulheres e pela Agroecologia, que acontece na região da Borborema, há 11 anos.

"Fazemos áudios como uma conversa e as pessoas param para escutar a mensagem que circula pelo carro de som nas cidades", compartilhou Adriana Galvão, da equipe da ASPTA e uma das responsáveis pela organização da Marcha das Mulheres.

Desse jeito, surgiu o "Conversa de Cumadi e Cumpadi, mas sem sair de casa!", que foi anunciado hoje nas redes sociais da ASA Paraíba em áudio. Ouça aqui o anúncio.

Ao longo de cinco semanas, os áudios ganharão o mundo sempre nas terças e quintas. O primeiro deles - Coronavírus né brincadeira não! - fala sobre a realidade da contaminação e rebate, de forma indireta, as crenças que andam sendo divulgadas pelas fakenews que circulam rapidinho de zap em zap.

O segundo episódio será sobre o isolamento com orientações para a comunidade se organizar melhor quando for para o roçado coletivo ou for pegar as sementes nos bancos comunitários já que o Semiárido está em plena época de plantio.

Para quem se interessou pelos áudios, à medida que forem sendo lançados, ficarão no canal do Youtube: ASA Paraíba Articulação do Semiárido Paraibano.

O GT de Comunicação da ASA Paraíba também se dispõe a divulgar os roteiros para que outros coletivos de comunicação possam gravar com os sotaques da região e distribuir os áudios na sua localidade, criando assim mais identificação com as famílias. Quem tiver interesse pelos textos, escreva para [email protected] e 83 99986.0095 (zap).