Rádio ASA - Riquezas da Caatinga

Desde 2005, a ASA produz e disponibiliza edições do Riquezas da Caatinga. O objetivo do programa é divulgar com a proposta política da convivência com o Semiárido. O Riquezas da Caatinga é disponibilizado mensalmente para rádios parceiras, organizações da ASA e instituições parceiras em todo o país. Esses produtos de áudio valorizam a sabedoria das famílias camponesas, debatem e defendem políticas públicas para o Semiárido e apresentam as belezas e singularidades dos biomas da Caatinga e do Cerrado.


DESTAQUE

Redução dos Investimentos em Segurança Alimentar

Nos últimos anos, os investimentos em políticas e programas voltados para a segurança alimentar e nutricional da população brasileira têm sofrido cortes. Este é um do fatores que pode colocar o Brasil de volta ao mapa da fome. Confira o que especialistas falam sobre o assunto.

Clique aqui para fazer download do programa

Ler mais


ProgramasFeed RSS

2018
Relatos da fome - Vera Lúcia

Vera Lúcia Félix de Brito mora numa comunidade do agreste alagoano chamada Serra Bonita, no município de Palmeira dos Índios. Ela é prova de que o problema da fome não é só a falta do que comer, mas é também a restrição alimentar causada pela escassez de recursos que, em décadas passadas, levou a subnutrição aos lares das famílias agricultoras de todo o país, em especial do Semiárido.  A comida pouca, a água salobra, e os dias exaustivos de trabalho eram a sina da população que de cabeça baixa aceitava a condição como se fosse uma espécie de castigo divino do qual não podiam se esquivar.

 

Clique aqui para baixar o programa

Ler mais


2018
Relatos da Fome - Audaci Nunes

Por muitos anos, na região Semiárida brasileira, a fome era tão naturalizada que chegava a ser passada como herança de pais para filhos. De norte a sul se ouvem histórias de pessoas que precisaram enfrentar os dias e noites sem ter se quer farinha pra por no “bucho”. “Fome, graças a Deus, eu não passei, mas minha avó teve e minha mãe e meu pai também teve. Na década de 30, na guerra da revolta, em Princesa Isabel, minha vó saiu com uma panela de barro na cabeça, com pirão de mucunã, não era de milho não! Quem morar no Semiárido e disser que ninguém da família passou por situação de fome eu digo que ele não conhece o Semiárido”, lembra com tristeza, o agricultor Audeci Nunes da Silva, que mora na comunidade Lagoa de São João, na cidade de Princesa Isabel, na Paraíba. 

 

Clique aqui e baixe o programa

Ler mais


2018
Relatos da Fome - Marenise de Jesus

Marenise de Jesus Oliveira nasceu em uma fazenda chamada Marruás, no município de Santaluz, região semiárida da Bahia. Filha de família camponesa farta em filhos, 19 contando com ela, Marenise viveu bem de perto a dura realidade de uma infância dedicada ao trabalho e, quase sempre, sem ter o que comer. Sua irmã mais velha foi mais uma que entrou para a taxa da mortalidade infantil da década de 50 – 60, vítima da desnutrição.

 

Clique aqui e baixe o programa

Ler mais


2018
Série Relatos da Fome - Evanuzia Araújo

No Semiárido, quando o assunto é fome, é corriqueiro se ouvir falar das mortes dos “anjinhos”, crianças recém-nascidas que morriam por conta da desnutrição, afinal do peito das mães subnutridas não se produzia o leite forte para alimentar os/as pequenos/as. As que conseguiam aprender a andar, posteriormente eram vítimas da cólera e de outras doenças causadas pela má qualidade da água consumida e pela desnutrição.  Para Evanuzia Araújo, filha de pai, vaqueiro e agricultor, e de mãe, dona de casa e agricultora como ela frisa, nas décadas de 70 e 80 e inicio dos anos 90, a morte de crianças era tão comum quanto o retrato da fome esculpido nos corpos magros e rostos sofridos das muitas pessoas que sem esperança, esvaziavam os sonhos assim como seus organismos esvaziavam-se de nutrientes essenciais à vida.

 

Clique aqui e baixe o programa

Ler mais


2018
Série Relatos da Fome - Maria Francisca

Maria Francisca de Alcântara é uma Severina, como muitas outras severinas do Semiárido. Quando criança, no sertão alagoano, testemunhou o retrato da fome na comunidade, Sítio Poço Doce 2, na cidade de Piranhas. Ela viu crianças perecerem por tomar a água barrenta, que no tempo da seca era a única que tinha para matar a sede do povo que vivia na região. Era preciso trabalhar em troca de comida, era preciso resistir e tentar sobreviver com as migalhas que eram ofertadas em troca do trabalho duro nas frentes de emergência

 

Clique aqui e baixe o programa

Ler mais


Filtre as publicações

Isso facilitará a sua busca